TIPOS DE CÂNCER
Câncer de Cólon e Reto

O que é?

    O intestino está divido em duas partes: delgado e grosso. No primeiro é onde ocorre a absorção da grande maioria dos nutrientes. No segundo, ocorre a absorção da maior parte da água utilizada durante o processo de digestão. O câncer de colon é o tumor maligno do intestino grosso e o câncer de reto é o tumor maligno da porção mais distal do intestino grosso.

Como ele se manifesta?

    Os sintomas que podem ocorrer são dor abdominal, massa abdominal, fezes pretas e mal-cheirosas, mudança no hábito intestinal (nova constipação), diarréia, e tenesmo (sensação de desconforto ao evacuar e que persiste mesmo após a evacuação). No entanto, o câncer de colon pode ocorrer na ausência de sintomas. A presença de anemia por falta de ferro em pessoas acima dos 50 anos obriga uma investigação que inclua endoscopia digestiva alta e baixa (colonoscopia).

Como fazer o diagnóstico?

    O melhor método diagnóstico é a colonoscopia. A colonoscopia permite a avaliação visual da lesão, a realização de biópsias para a confirmação do diagnóstico e auxilia na localização do tumor.

Quais os principais tratamentos?

    A cirurgia, com a retirada da porção do intestino comprometida é a principal alternativa de tratamento. A cirurgia também remove os linfonodos (inguas) que denam a parte do intestino comprometido pelo tumor. A cirurgia pode ser complementada com quimioterapia e/ou radioterapia para aumentar a chance de cura. A localização da lesão (cólon ou reto) é muito importante para o planejamento da cirurgia e para determinar se haverá necessidade de radioterapia (antes ou após a cirurgia).

Quem eu devo procurar?

    No início da investigação pode-se procurar um medico internista (clínico geral), um gastroenterologista ou um proctologista. Após a confirmação do diagnóstico deve-se consultar um cirurgião e/ou um oncologista. No tratamento do câncer de colon ou reto é importante que o cirurgião, oncologista clínico e o radioterapeuta trabalhem juntos para determinar qual o melhor tratamento (e em que sequência) a ser utilizado. Para determinar a melhor abordagem cirúrgica, deve-se considerar a localização, tamanho, padrão e extensão da disseminação do tumor. Estes fatores determinam tanto o prognóstico do paciente quanto qual a melhor sequência de tratamento a ser utilizada.

Quais os fatores de risco?

    Os principais fatores de risco são: idade acima de 50 anos; algum membro da família com história de câncer de cólon e reto; história pessoal pregressa de câncer de ovário, endométrio ou mama; dieta com alto conteúdo de gordura, carne e baixo teor de cálcio; obesidade e sedentarismo.

    Pertencer a um grupo de risco como portadores de doenças inflamatórias do cólon como retocolite ulcerativa crônica e Doença de Crohn; algumas condições hereditárias (Polipose Adenomatosa Familiar (FAP) e Câncer Colorretal Hereditário sem Polipose (HNPCC) aumenta em muitas vezes o risco de câncer de colon ou reto . Pessoas portadoras de algum destes diagnósticos deve realizar exames de detecção precoce mais frequentemente.

Prevenção - Como realizar?

    Manter hábitos saudáveis é a melhor prevenção. Deve-se praticar uma dieta saudável associada a prática regular de exercicios. É importante uma dieta rica em frutas, verduras, fibras, calico e folato. Deve-se restringir a quantidade de gordura animal ingerida.

Após o tratamento como fazer acompanhamento?

    O acompanhamento deve ser realizado com o objetivo de prevenir novos tumores do intestino grosso (com dieta, exercicios e colonoscopias) e, em caso de recorrência, diagnóstico precoce através de exames de imagem e laboratoriais periódicos.