TIPOS DE CÂNCER
Câncer de Cabeça e Pescoço

O que é?

    O câncer de cabeça e pescoço é toda a neoplasia maligna que se manifesta nestes segmentos anatômicos do corpo humano. Eles podem ser de diversos tipos e ser encontrados em vários sítios anatômicos, como na pele, nos lábios, na boca, garganta, cordas vocais, glândulas salivares, tireoide, paratireoide e pescoço.

Como ele se manifesta?

    Vai se manifestar dependendo do sítio anatômico. Na pele e nos lábios, pode iniciar como uma lesão com crosta ou úlcera que existe há cerca de 30 dias ou mais e não melhora, podendo coçar ou até mesmo sangrar. Na boca e na garganta inicia como uma afta, úlcera ou vegetação que dura mais de 03 semanas. Geralmente pode manifestar-se com dor local ou sensação de corpo estranho. Nas cordas vocais o sintoma inicial é o de rouquidão ou dor para engolir e que também não melhora após 3 semanas. No pescoço e nas glândulas salivares, geralmente não há dor, mas somente a presença de um aumento de volume (caroço) percebido com mais de 2,0cm e que não melhora após 03 semanas. Na tireoide, geralmente não existem sintomas, somente a percepção de um caroço na região central e inferior do pescoço, indolor na grande maioria dos casos.

Como fazer o diagnóstico?

    Para todos os casos o exame físico bem realizado por profissional adequado, com utilização de exames auxiliares como ecografia, tomografia computadorizada ou ressonância magnética e biópsia da lesão são suficientes para a elucidação diagnóstica.

Quais os principais tratamentos?

    Os tratamentos são individualizados para o paciente conforme o tipo de tumor, localização e estadiamento (classificação em tamanho e metástases). As armas terapêuticas existentes nos dias de hoje são a cirurgia, quimioterapia e radioterapia, podendo ser utilizadas individualmente ou em conjunto.

Quem eu devo procurar?

    O paciente deve sempre procurar a ajuda de um Cirurgião de Cabeça e Pescoço, que tem experiência e saberá conduzir de maneira adequada o tratamento. Outros especialistas como Oncologistas Clínicos e Radioterapeutas podem ser necessários durante o tratamento. Otorrinolaringologistas também podem ter experiência na identificação de lesões orais, da faringe e da laringe. Dermatologistas também apresentam conhecimento para o diagnóstico de lesões de pele e Endocrinologistas nos casos de tireoide.

Quais os fatores de risco?

    Para  as lesões de pele e lábio, sem dúvida a exposição prolongada e sem proteção ao sol é o principal fator de risco. Nos casos de boca, faringe e laringe o tabaco é o grande vilão. O álcool também está envolvido e potencializa os riscos do tabaco em casos de câncer de boca e faringe. Tireoide e as grandes glândulas salivares não apresentam fatores de risco ambientais bem estabelecidos.

Prevenção - Como realizar?

    Inicialmente a maior prevenção é evitar os fatores de risco expostos acima. Em um segundo momento, a realização de consulta com o seu médico no caso de apresentar algum dos sintomas acima citados pode excluir a presença de um câncer ou indicar um tratamento precoce e com maior chance de cura.

Após o tratamento como fazer acompanhamento?

    O acompanhamento após o tratamento inclui consultas periódicas com o seu médico ou equipe assistente e realização de exames complementares para reforçar a impressão de boa evolução. A cura é considerada, para a maioria dos casos, após 05 anos de acompanhamento sem indícios de recidiva.