EQUIPE ASSISTENCIAL
Fisioterapia e Terapia Ocupacional

O início do acompanhamento fisioterapêutico dá-se a partir da solicitação feita pelo médico oncologista. A partir daí, o fisioterapeuta verifica os dados referentes ao paciente, junto ao prontuário e à Equipe Interdisciplinar (enfermeira, técnico de enfermagem, nutricionista, psicólogo e o próprio médico), e realiza uma avaliação inicial.

Nesta avaliação, verifica-se a história da doença, tratamentos já utilizados (como cirurgias, quimioterapia e radioterapia), situação anterior à internação e situação atual. Além disso, são avaliados itens do ponto de vista motor (força e elasticidade muscular, marcha...), neurológico (coordenação, equilíbrio...) e ventilatório (tosse, secreções, dispnéia...). Concluída esta etapa, o profissional está apto a traçar um plano de reabilitação.

A reabilitação ventilatória envolve técnicas como padrões ventilatórios, reequilíbrio tóraco-abdominal (R.T.A.), tosse, aspiração de vias aéreas, E.P.A.P. (pressão expiratória positiva final) e huffing (espécie de tosse com fluxo expiratório aumentado).

A reabilitação do ponto de vista neurológico utiliza técnicas como estimulação tendínea, treinos de marcha, coordenação e equilíbrio.

Já a reabilitação motora baseia-se no ganho de força muscular, alongamentos, trocas de posturas, treino de marcha e atividades de vida diária (AVDs).

A reabilitação de pacientes com câncer de mama mastectomizadas também é realizada, através da abordagem do membro superior do mesmo lado da mama operada e de orientações pós-cirúrgicas.

Os pacientes internados para a minimização de sintomas também podem realizar fisioterapia e terapia ocupacional, a fim de evitar ou reduzir as alterações produzidas pelo tempo prolongado no leito, manutenção das amplitudes de movimento articulares e elasticidade muscular.

O trabalho em equipe é fundamental para o bem-estar dos pacientes com câncer, e o fisioterapeuta participa ativamente para proporcionar um atendimento de qualidade a esses pacientes e a seus familiares.